Instituto Politécnico de Lisboa

À conversa com Inês Lopes... 13 fev 2013

Inês Lopes

Ficou a conhecer a licenciatura em Análises Clínicas e Saúde Pública através de um guia do estudante e esta foi a sua primeira opção. Atualmente a viver em Londres, Inês Lopes é mestre em Desenvolvimento Internacional, teve o privilégio de participar no primeiro isolamento registado na Europa do fungo Cladiophialophora bantiana e é Microbiologista no Hospital Pediátrico Great Ormond Street.


Qual tem sido o seu percurso Profissional?
A minha primeira experiência profissional foi no Hospital Pulido Valente, onde a formação foi excelente e me deu as ferramentas necessárias para embarcar numa carreira internacional. Em Londres trabalhei no sector privado na multinacional Quest Diagnostics como Microbiologista e no presente trabalho como Microbiologista no principal centro de investigação pediátrica da Europa, Hospital Pediátrico Great Ormond Street Hospital (Londres).
 
Quais são as suas áreas de interesse a nível profissional e de áreas de investigação?
A minha grande paixão é o diagnóstico de infeções peri-natais em contexto de urgência. A nível de áreas de investigação, interesso-me particularmente pela resistência bacteriana aos fármacos, que tem vindo a assumir maior relevância em saúde pública nos dias de hoje.
 
Porquê a escolha de uma carreira internacional?
Já lá vão 4 anos… Na altura a curiosidade de viver e trabalhar noutro país foram as razões que me levaram a sair de Portugal, sendo que o mercado de trabalho em Londres era muito dinâmico e por isso a opção por este país. Se o fizesse agora as razões seriam bem diferentes, dada a crise que se vive no nosso país e que se reflete na área da saúde com consequências drásticas.
 
Porque escolheu a ESTESL?
Inicialmente estudei em Coimbra, mas acabei por escolher a ESTeSL pela forte componente prática dos seus currículos académicos.
 
O que recorda da ESTeSL?
Recordo com saudade a relação informal entre alunos e professores, em particular as aulas de Microbiologia da Professora Bela Ferreira.
 
O que diferencia a ESTeSL?
O facto de ser uma escola pequena, faz com que se crie uma comunidade de ex-alunos, alunos e professores, o que a meu ver, é bastante benéfico porque o ensino é mais personalizado e o aluno sente-se incluído e apoiado na sua progressão académica.

Gostaria de deixar uma mensagem ou conselhos para os nossos atuais estudantes?
Gostaria de deixar uma mensagem de encorajamento para todos os futuros profissionais de saúde, confiem nos vossos conhecimentos, a formação da ESTeSL é excelente, e se tiverem de sair do país para encontrar o reconhecimento que merecem depois de tudo o que estudaram, não hesitem e façam-no!