Instituto Politécnico de Lisboa

Associations of the FTO rs9939609 and the MC4R rs17782313 polymorphisms with type 2 diabetes are ... 27 maio 2013

Alerta das Ciências Naturais e Exatas nº8/2013 - 28 de maio de 2013

 

 

Artigo

Associations of the FTO rs9939609 and the MC4R rs17782313 polymorphisms with type 2 diabetes are modulated by diet, being higher when adherence to the Mediterranean diet pattern is low 

 

Autores

Carolina Ortega-Azorín, Jose V Sorlí, Eva M Asensio,, Oscar Coltell, Miguel Ángel Martínez-González, Jordi Salas-Salvadó, Maria-Isabel Covas, Fernando Arós, José Lapetra, Lluís Serra-Majem, Enrique Gómez-Gracia, Miquel Fiol, Guillermo Sáez-Tormo, Xavier Pintó, Miguel Angel Muñoz, Emilio Ros, Jose M Ordovás, Ramon Estruch e Dolores Corella

Filiação dos autores “principais”

Department of Preventive Medicine and Public Health, School of Medicine, University of Valencia, Valencia, Spain

CIBER Fisiopatología de la Obesidad y Nutrición, Instituto de Salud Carlos III, Madrid, Spain

 

State-of-the–art

O gene FTO (Fat Mass obesity) e MC4R (recetor 4 da Malanocortina) são considerados loci associados ao risco de obesidade. No entanto são poucos os trabalhos realizados que os associem ao risco de Diabetes tipo 2. Um trabalho recente associou o gene FTO ao risco de desenvolver diabetes tipo 2 em populações Asiáticas. Para o caso dos polimorfismos no gene MC4R os trabalhos têm sido inconclusivos.

Até á data nenhum estudo realizado avalia o efeito modulador da Dieta na associação dos polimorfismos destes dois genes no risco de Diabetes tipo 2. Mais concretamente o efeito da Dieta Mediterrânea, com aporte reduzido de ácidos gordos saturados e rica em vegetais, fruta, peixe, frutos secos e azeite, uma vez que são vastos os trabalhos que clamam o efeito protetor no risco de Diabetes tipo 2. Mais ainda, este padrão alimentar rico em folatos parece ser crucial para a correta metilção do DNA, indispensável á regulação da expressão génica por mecanismos epigenéticos.

 

Assim, o objetivo deste artigo foi avaliar se a adesão à Dieta Mediterrânea alterava a associação dos polimorfismos FTO rs9939609 e MC4R rs17782313 com o risco de desenvolver Diabetes tipo 2. 

 

Resultados obtidos

Os autores concluíram que por si só os polimorfismos em estudo não eram fator de risco para desenvolver Diabetes tipo 2. 

No entanto determinaram uma interação entre a adesão á Dieta Mediterrânea e os polimorfismos em estudo no risco de desenvolver Diabetes tipo 2. Ou seja, o fato dos polimorfismos aumentarem ou diminuírem o risco de desenvolver Diabetes tipo 2 depende do tipo de dieta. Assim um individuo que não tem uma dieta tipo mediterrânea e possui o alelo de risco para a obesidade tem um risco elevado de desenvolver Diabetes tipo 2. Se no entanto este individuo tiver uma dieta tipo mediterrânea esse risco desaparece.

Existem atualmente evidencias fortes que a Dieta Mediterrânea protege da Diabetes tipo 2, o que mostra que o fato da dieta cancelar o risco de desenvolver a doença em indivíduos com o alelo de risco não ser uma surpresa.

Esta interação dieta-gene evidencia a necessidade de analisar estas interações noutros polimorfismos associados á obesidade e ou à Diabetes, e associá-los á dieta dos indivíduos.

 

Relevância para as tecnologias da Saúde

Este artigo evidencia a importância da multidisciplinariedade ao nível da gestão de doenças multifatoriais como é a Diabetes tipo 2, nomeadamente a Nutrigenetica neste caso concreto. Estudos de susceptibilidade recorrendo exclusivamente a estudos genéticos teriam detetado uma ausência de associação que estaria “mascarada” pela influencia de fatores ambientais tão importantes para o desenvolvimento desta Doença como seja a Dieta. Mais ainda este estudo demonstra mais uma vez a importância da Dieta Mediterrânea para uma dieta saudável, num momento em que o Portugal efetuou uma candidatura da Dieta Mediterrânica a Património Cultural Imaterial da Humanidade da UNESCO. 

 

Artigo Original disponível em:
Consulte o artigo original através do link